gototopgototop
Nova pagina 3

 

forex trading logo


... Enquete

O que você mais acessa no Portal Dystacks?
 
Home Notícias
Entre a sociedade de hoje e os intelectuais medeia um entendimento tácito. «Conto contigo - dizem os leitores - para que me forneças os meios para esquecer, disfarçar, negar, em suma, a morte. Se não cumprires este encargo, expulso - te, ou seja, não te lerei». (Louis Vincent Thomas, antropólogo francês)

Notícias em Geral Brasil e Mundo
Afeto e hits engrandecem reencontro do trio nordestino como há 20 anos PDF Imprimir E-mail
Publicado por: : Rosiane Souza   
Seg, 19 de Setembro de 2016 11:42

Zé Ramalho estava ausente. Contudo, como ressaltou a conterrânea Elba Ramalho no palco da casa carioca Metropolitan, o dissidente artista paraibano se fazia presente através de algumas das 30 músicas do roteiro seguido por Elba com os pernambucanos Alceu Valença e Geraldo Azevedo na estreia nacional do show O grande encontro – 20 anos na noite de ontem, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). O roteiro está centrado em sucessos, em que pesem duas novas canções e alguns lados B da discografia de Alceu. Mas foram justamente os hits e os afetos, perceptíveis nas falas dos cantores e na cumplicidade da plateia com os artistas, que engrandeceram o reencontro do trio nordestino 20 anos após o mítico show de 1996 feito com a presença física de Ramalho. O roteiro alterna solos, duetos e números feitos em trio, mas os três artistas estão juntos no início e no fim do espetáculo dirigido por André Brasileiro. No início, sucessos como Anunciação (Alceu Valença, 1983) e Caravana (Alceu Valença e Geraldo Azevedo, 1975) estabeleceram imediata empatia com o público que lotou a casa carioca. Tão óbvios quanto empolgantes, o fim com o frevo Banho de cheiro (Carlos Fernando, 1983) e o bis com o catártico Frevo mulher (Zé Ramalho, 1979) sinalizaram a intenção de arriscar pouco para manter a vibração ao longo das duas horas e 10 minutos de espetáculo embelezado pelo cenário criado por Gringo Cardia com base em obras do artista plástico baiano J. Cunha. A contribuição do diretor André Brasileiro foi deixar o reencontro fluir com espontaneidade, sem marcações excessivamente teatrais e sem domar artistas indomáveis como o elétrico Alceu Valença, cujo xote Me dá um beijo – do disco gravado em 1972 por Alceu com Geraldo – foi uma das surpresas do roteiro. Também da lavra solitária de Alceu, mas da safra lançada em disco em 1974, Papagaio do futuro voou ágil no ritmo veloz da embolada em dueto do compositor com Geraldo. De natureza mais calma, Geraldo alinhou, em momento solo, músicas que conceituou como "cantigas de amor".

 
Mais Artigos...
« InícioAnterior12345678910PróximoFim »

Página 6 de 183

Receba novidades do Portal Dystacks diretamente no seu e-mail, Assine já!

... PUBLICIDADE

itumbiara_go

... Total / Visitas

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje1264
mod_vvisit_counterOntem1950
mod_vvisit_counterEsta semana5977
mod_vvisit_counterSemana passada22417
mod_vvisit_counterEste mês66476
mod_vvisit_counterMês passada87834
mod_vvisit_counterTodos os dias20095160

Temos: 1 bots online
O seu IP: 54.81.88.93
 , 
Hoje: 26 Set, 2017
Contador de visitantes

... Total / Membros

  • 3356 membro(s) registrado(s)
  • 0 hoje




2016 © Dystacks.com.br - Todos os direitos reservados.